segunda-feira, 25 de agosto de 2008

o Brasil está finalmente olhando para o quintal? visita ao MOCOTÓ

Pra começo de conversa, a definição:

gastronomia do Grego. gastronomía: Arte de bem cozinhar, a fim de proporcionar o maior prazer a quem come; arte de comer bem e de apreciar os bons acepipes (guloseima; pitéu; aperitivos).

Estou cursando o módulo de Cozinha Brasileira com o ilustríssimo chef Mauricio. Teríamos aula em dos sábados passados e ele propôs que fôssemos todos - quem quisesse - ao Mocotó, um restaurante de comida nordestina ali na zona norte de SP. Lógico que grande parte da turma foi. Foi muito agradável passar essa tarde com alguns colegas legais e com o chef. Aí o tempo foi passando, começaram a chegar pessoas, entre elas o prof. Ricardo Maranhão, que é um dos maiores nomes da, digamos, pesquisa gastronômica do país. Normal? Não sei. Imagine você, caro amigo, que estamos falando do povo da GASTRONOMIA, acostumados a grandes rodas, comendo baião de dois, sentados quase todos numa daquelas mesas enormes, tipo sítio do vovô, sabe? E nós, alunos de uma das maiores Escolas de Gastronomia do Brasil ali, feito bobos, tirando foto de tudo...

Não falo isso menosprezando a nossa cultura gastronômica nem nada. Falo com a felicidade de ver as minhas raízes sendo valorizadas! Acredita que alguns colegas meus só conheceram o cará depois que entraram para a faculdade? Pois é. Você não conhece? Não se acanhe. Existe um monte de ingredientes para descobrir, talvez até no mercadinho perto da sua casa. A Gastronomia é para TODOS, sim!

Olha a tristeza...


Pimenta biquinho, carne de sol e alho assado...

Aí, lógico, pedi pro garçom: demonstra aí essa história do alho!


E lá foi o garçom, todo gentil, tirar a pasinha de alho da casca...

E, pra ficar mais ruim, por cima da pastinha de alho, a pimenta biquinho. Gente, essa pimenta é o máximo! Acredita que ela não arde?

Baião-de-dois. Dispensa apresentações e comentários.

Galinha no xerém cremoso. hummmmmmm

MOCOTÓ. da esquerda pra direita: Kelly (mais conhecida como Kewsa. kkkkk), EU, Malu, Marlene, Dênis, Thiago, Moisés, Andréa(lá no fundão), Juliana, Maiara e o irretocável chef Mauricio.

2 comentários:

stray k disse...

Não era Krewsa o meu apelidinho infame? Merece um "errata". Pois é... essa história de "descobrimento" da culinária brasileira poderia ser comparada a alguém que passa quase a vida inteira cobrindo a barriga flácida até o dia em que vê no Fantástico uma matéria chamada "Gordinha, porém feliz", em que a "moda" é assumir o sobrepeso e sair com a banha à mostra em pleno verão dos trópicos. Passaram-se anos de oba-oba em cima da ilustríssima cozinha clássica Francesa (não desmerecendo, nem sendo irônica), menosprezando-se o sabor brasileiro. Carne-seca era coisa "dos cabeças-chata", não? Agora eu dou risada disso porque desde pequena eu já sabia o que era bom, na mesa lá de casa...

Paulo Machado disse...

Paulinha, adoreiiiiiii, o seu blog... muito informativo e no mundo da gastronomia, é uma delícia ler suas palavras e receitas, continue assim. Quanto ao seu projeto de pesquisa, vamos lá, quero ver ele acontecer!!! um abraço e boa sorte na cozinha. Paulo Machado.
www.chefpaulo.zip.net